NOTÍCIAS

16/02/2017

Projeto Coala, uma iniciativa que deu certo

O projeto Coala, do município de Sobral/CE, foi uma das iniciativas reconhecidas como exemplo de “Boas Práticas” no Prêmio Prefeito Amigo da Criança gestão 2013-2016. Ele surgiu a partir de um diagnóstico que mostrava elevado índice de morte neonatal de prematuros em decorrência de infecção hospitalar; somente no primeiro semestre de 2013, 37 recém-nascidos tinham morrido, 100% deles diagnosticados com essa enfermidade.

Diante desse cenário, o então prefeito Clodoveu Arruda, adotou como prioridade de seu segundo mandato a solução desse problema e reeditou a parceria com a Dra. Ana Cecília Sucupira, da USP – Universidade de São Paulo. Ela identificou, juntamente com a equipe da Secretaria de Saúde de Sobral, que ao sair da UTI Neonatal e passar para a enfermaria, os bebês ficavam mais expostos e acabavam infectados.

Dessa forma, a estratégia para a solução desse problema foi a chamada alta antecipada, em que o bebê, no momento seguinte à alta da UTI, não mais era enviado para a enfermaria e sim para casa. Uma vez em casa, o recém-nascido necessita de uma série de cuidados que são prontamente ensinados para os pais pela médica responsável, a Dra. Juliana Rodrigues Pinto.

É extremamente importante o engajamento dos pais ou responsáveis para o desenvolvimento da criança assistida, para isso, quando necessário, é contratada pelo município uma “mãe social”, pessoa da vizinhança do recém-nascido, responsável por auxiliar os pais nos cuidados com a casa e com o bebê. Também há casos da necessidade de envolver outro familiar, como tios ou avós, com a mesma finalidade de auxílio aos pais, relata a Dra. Juliana.

O investimento necessário para a implantação do projeto é ínfimo. Com base nisso, o prefeito Clodoveu Arruda acredita que essa iniciativa pode ser replicada para qualquer município que enfrente o mesmo problema. “Considero muito importante a iniciativa da Fundação Abrinq de motivar os prefeitos a trabalharem em prol da infância e adolescência, promover o diálogo e troca de experiências positivas entre os municípios brasileiros”, afirmou.

Desde o início do projeto, o percentual de óbitos de prematuros caiu de 13,75% para 4,2%.